2017

sempre que um novo ano começa pedimos desejos, fazemos projeções para 365 dias, traçamos objetivos vários.

Há, acima de tudo, que seguir em frente. Pensar que o melhor é o que está por vir. Pensar que tudo o que passámos, tudo o que vivemos até hoje teve um propósito, bom ou mau, mas é passado.

Há que aprender a relativizar…

A este novo ano (ímpar- os meus preferidos) peço alegria, tranquilidade e muito positivismo. Peço sentido crítico, capacidade de análise, capacidade de opção e decisão, capacidade de aceitação.

A este novo ano, e fazendo minhas as palavras da Malú, peço que aprenda e consiga, diariamente, “em cada canto vejo o lado bom”..

Mood Valentim

Há quem leve estes dias do ano muito a sério.

Há quem goste e ligue mesmo muito ao dia de S. Valentim, vulgo dia dos namorados.

Sou sincera, nunca dei nenhuma, ou vá… grande importância, ao dia em questão. Acho que bom, bom, mas mesmo em bom, é ter razões, motivos, ideias e motivações para namorar à séria, à grande e em alta o ano todo.

 E por aí? Em pleno mood Valentim? Restaurante marcado? Presente comprado? Lingerie especial escolhida? 

Apresse-se quem liga ao evento…Almost there.

 

os meus últimos tempos…

Olá, Olá!

Já tinha saudadinhas do meu spot virtual preferido e de cá vir escrever umas quantas coisas sobre me, myself and I em particular, e sobre o mundo e arredores em geral.

Ora bem, comecei a baldar-me a estes registos pouco depois do meu aniversário. Resumindo a vidinha do final de outubro, Novembro e Dezembro temos então:

-umas mini férias no Porto;

-obras em casa;

-tosse e constipação;

-Blackfriday de Novembro como início das compras de Natal;

-preparativos para o Natal que incluem o dress code natalício da casa e a compra dos presentes;

-festas de Natal por tudo e por nada e de tudo e mais um par de botas;

-o Natal em si e o Fim de Ano.

 A iniciar Janeiro temos como marca chave o delinear dos grandes objetivos, desejos, projetos e sonhos para o novo ano, assim como o desejo de que a vida só nos traga o melhor.

Comecei o ano com o pé direito, ao lado da minha mais que tudo e da minha segunda-futura-mais-que-tudo que a mana ainda tem na barriga.

Falta cada vez menos para a Baby M nascer, por isso este ano tem tudo para ser maravilhoso.

2016 conto contigo! Não me desapontes, OK?

 

Aquela luz.

imageÀs vezes, quando dá, gosto muito de, a seguir ao trabalho, não ir logo para casa. Gosto de quebrar um bocadinho a rotina e ir, nem que seja tão somente, beber um café a qualquer lado.

Ontem, foi um desses dias, ou melhor, dessas tardes. Um fim de tarde frio, propício a um sítio acolhedor.

Fui conhecer um café que sabia ser de bairro, familiar, típico, vintage. Resumindo, tinha tudo para ser a minha cara.

O dito café fica no Bairro de S. João, na Estrada da Luz. O seu estilo bem cosy, acolheu-me bem. Fui bem recebida e senti-me em casa. Bebi um chocolate quente, daqueles que aquecem a alma e comi uma fatia de bolo de amêndoa, daqueles que são mesmo pecado de tão bons que são e tão bem que sabem.

O dito café é pequeno de tamanho, mas grande no que por lá se experimenta a vários níveis.

O dito café ganhou o seu nome pela luz que entra pelas suas janelas enormes. Não tive oportunidade ainda para comprovar, mas fica prometido para o próximo fim de semana.

Gostei mesmo de estar n’A Luz ideal.

 

 

 

 

Traços de revivalismo

E com o Natal tão perto já cheira a fatias douradas e bolo rei. Já começo a ficar contagiada pelo espírito natalício e, não tarda, vou decorar a árvore de Natal.

Ando já a pensar nos presentes, principalmente nos da doce M. Há pouco lembrei-me de um presente típico dos natais da minha infância.

Lembram-se?

 

São Martinho, São Pedro e São Nicolau

Hoje comemora-se o S. Martinho. O S. Pedro brinda-nos com o verão já quase esquecido, por estes dias.

Apesar de ter estado bastante calor nos últimos dias, o Natal está aí à espreita. Em algumas ruas já temos iluminação alusiva a esta época. Já há centros comerciais com as árvores de natal gigantes a serem decoradas. Já há montras vestidas a rigor e já se vendem árvores de natal, grinaldas de luzes, estrelas, bolas, anjinhos, botas para os presentes e artigos afins, um pouco por todo o lado.

A criançada já começa a fazer listas infindáveis para o pai natal e os crescidos já começam a delinear na mente o que dar aos pais, aos filhos, ao tio x, à amiga y, à mais que tudo e ao homem da vida.

Adoro o natal. Adoro as decorações de natal. Amo a capacidade de transformação das pessoas nesta altura, ver como se tornam seres realmente humanos. Todos ficam mais felizes, mais calmos, mais serenos, mais amigos, mais compreensivos. Falamos com a família com quem só falamos nos anos, nos casamentos e batizados, ou naquelas fases derradeiras da vida de um alguém próximo.

Adoro pensar no que oferecer às pessoas realmente especiais. Adoro procurar os presentes ideais e perfeitos. Adoro magicar o que irei receber. Adoro os múltiplos jantares de natal que se fazem em dezembro: com os colegas de trabalho, com os amigos, com a família.

Todos os natais são mágicos, cheios de coisas boas e pessoas importantes. De há 8 anos para cá que os natais têm um sabor ainda mais doce, mais doce M. Mas os natais da minha infância, junto dos meus avós, serão sempre natais a recordar, com muita saudade e um carinho infinito.

Há coisas que nos marcam para sempre. Há pessoas, sítios, objetos, cheiros, acontecimentos que nos marcam para sempre. Há sentimentos, coisas que dissemos, coisas que ouvimos, coisas que imaginámos, coisas que sonhámos, que nos marcam para sempre.

Há coisas que vimos e que nunca nos esquecemos e que a nossa memória revisita como se fosse sempre a primeira vez. Há coisas que não esqueço e que me trazem sempre um sorriso e memórias boas.. Coisas boas como isto…